30
Out
12

Boa perspetiva da II Guerra Mundial

II Guerra Mundial: http://scribd.com/doc/60983301

30
Abr
08

benvindos, welcome, bienvenue, benvenuto, bienevenido…

 Olá a todos!

Este é um espaço onde professor e aluno podem e devem partilhar tudo que diga respeito a História.

É meu desejo, com este blog, permitir um acesso fácil, acessível e actualizado de materiais que sirvam de apoio ao vosso estudo, à disciplina de História.

Terás, sempre que for oportuno ou a teu pedido, materiais didácticos referentes aos conteúdos que estudamos: resumos, fichas de trabalhos, esquemas, gráficos, tabelas, powerpoint’s, conceitos, jogos, etc…

Peço-te que envies comentários, sugestões, dúvidas, pois sempre que possível terei um tempinho para te atender e uma palavra para te esclarecer.

Bom trabalho e bom estudo!

 Abraços,

Prof. Joel Valente

 

 A REPÚBLICA

A Implantação da República Portuguesa foi o resultado de um golpe de estado organizado pelo Partido Republicano Português que, no dia 5 de outubro de 1910, destituiu a monarquia constitucional e implantou um regime republicano em Portugal.

A subjugação do país aos interesses coloniais britânicos, os gastos da família real, o poder da igreja, a instabilidade política e social, o sistema de alternância de dois partidos no poder (os progressistas e os regeneradores), a ditadura de João Franco, a aparente incapacidade de acompanhar a evolução dos tempos e se adaptar à modernidade — tudo contribuiu para um inexorável processo de erosão da monarquia portuguesa do qual os defensores da república, particularmente o Partido Republicano, souberam tirar o melhor proveito. Por contraponto, o partido republicano apresentava-se como o único que tinha um programa capaz de devolver ao país o prestígio perdido e colocar Portugal na senda do progresso.

Após a relutância do exército em combater os cerca de dois mil soldados e marinheiros revoltosos entre 3 e 4 de outubro de 1910, a República foi proclamada às 9 horas da manhã do dia seguinte da varanda dos Paços do Concelho de Lisboa. Após a revolução, um governo provisório chefiado por Teófilo Braga dirigiu os destinos do país até à aprovação da Constituição de 1911 que deu início à Primeira República. Entre outras mudanças, com a implantação da república, foram substituídos os símbolos nacionais: o hino nacional e a bandeira

 

 

 

 

 CURIOSIDADES

Em cem anos o mundo deu muitas voltas. O centenário da República serve também de mote para uma viagem às transformações sociais que Portugal viveu durante um século. Veja abaixo os indicadores e as mudanças:

Como era a economia há 100 ano

População: Na viragem do século, Portugal era mais pequeno do que agora. A população portuguesa não passava dos 5,9 milhões de habitantes em 1911. Actualmente é o dobro, ultrapassando os 10,6 milhões de pessoas.

Carros A mobilidade dos portugueses mudou muito, como seria de se esperar. As cem mil carroças que existiam em Portugal em 1916 já não se vislumbram. À época havia registo de 3211 carros em circulação no país – o que representava um carro para 1692 habitantes. Este era, sem dúvida, um luxo das famílias abastadas e com empresas. Nos tempos de agora, basta olhar pela janela de uma cidade como Lisboa para se ter a certeza que a realidade mudou completamente. Os dados de 2009 da Anecra apontam para 6,3 milhões de veículos a circular nas estradas nacionais, dos quais 5,4 são ligeiros,o que dá cerca de um carro para cada dois portugueses.

Médicos No início do século passado, os hospitais eram usados pelos pobres, pois os ricos recebiam as visitas médicas necessárias em casa. O acesso a consultas fora dos centros urbanos era precoce, muito mais do que actualmente em termos comparativos. Em 1908 havia registo de 471 médicos. A média em Lisboa era de um médico para 900 habitantes e no Porto a situação registada era de um médico para 800 habitantes. Actualmente, de acordo com dados do INE, o rácio de médicos por mil habitantes era de 3,6 em 2007.

Média de vida Os avanços na medicina beneficiaram a média de vida dos portugueses e verificou-se também uma acentuada melhoria na taxa de mortalidade infantil, que em 1910 era de 14,6 por cento, vindo a aumentar em flecha nos anos seguintes, tendo registado em 1918, por exemplo, um pico de 46,5 por mil nascimentos. Os dados de 2006 apontam para 3,3 óbitos por mil nados vivos. A média de vida está nos 78,4 anos.

Escolaridade Em 1910 o analfabetismo entre maiores de sete anos correspondia a 69 por cento. Actualmente, ainda existe em Portugal mais de nove por cento de analfabetos, o que corresponde a cerca de um milhão de portugueses que, segundo dados de 2009 do INE, não sabem ler nem escrever. Em 1911 havia 3223 alunos nas escolas superiores.

Trabalho A agricultura ocupava em 1910 a maioria dos portugueses: 60 por cento. Actualmente, de acordo com o Anuário Estatístico, existem 562,2 mil pessoas no sector agrícola e das pescas. A maior fatia da população activa encontra-se no sector dos serviços, justamente aquele que era menos preferido pela população.

Telefones Em 1910 havia 3500 telefones em Lisboa, 1500 no Porto e menos de mil no resto do país… Nos dias de hoje a conta dos telefones é bastante maior. Só no campo dos telemóveis, dados da Anacom referentes ao primeiro trimestre de 2010 apontam para 148,9 aparelhos activos por cada cem habitantes. Os telefones fixos ainda são preferidos por 3,3 milhões de portugueses.

 

23
Abr
08

história

23
Abr
08

Hello world!

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!